Só me veem duas palavras à cabeça: METEM NOJO!

Então não é que agora os homossexuais portugueses, do sexo masculino, estão proibidos de doar sangue? Esta política foi assumida em documento, enviado à presidência do Conselho de Ministros pelo Ministério da Saúde, que alega a necessidade de eliminar dadores com comportamentos de risco. O presidente do Instituto Português de Sangue, Gabriel Olim, argumenta que “ser homossexual é um comportamento de risco” e que a decisão tomada não se trata de uma atitude de discriminação relativamente às orientações sexuais. Então trata-se do quê? Sinceramente, para além de discriminação e preconceito, não consigo ver outras atitudes que expliquem isto. Mais tarde, a resposta do Ministério da Saúde deixou João Semedo, deputado do Bloco de Esquerda, espantado e indignado (não era para menos), acrescentando que se trata de uma situação “inadmissível”. E com razão! Então, agora lá por uma pessoa ser heterossexual não tem SIDA, ou outra doença sexualmente transmissível? Vamos lá a ver, qualquer pessoa, seja qual for a sua orientação sexual, pode tomar comportamentos de risco. Exemplo simples: se em África estão todos contaminados, são todos homossexuais, queres ver?! Para além de que quem queira ser dador de sangue, antes disso ainda tem de se submeter a análises ao sangue. Outra… conforme esta nova política, apenas homossexuais do sexo masculino não podem dar sangue. Então e as lésbicas? Essas já podem? Porquê a distinção entre sexos? Gostava mesmo de saber. Se calhar é por as mulheres serem mais cuidadosas e não assumirem comportamentos de risco. Por favor. Acordem p’ra vida! Resumindo, deixem-se se de tretas e foquem-se no que é importante. Este assunto nunca devia ter sido posto em causa.

Sem comentários:

Enviar um comentário