Português que é português, chateia um espanhol pelo menos uma vez (VIII)


Desta vez publico a rubrica a tempo e horas, o texto é integralmente copiado de um outro blog, daqueles fora de prazo que não tem nada de novo, caminha para quatro anos. Não ponho créditos porque de onde fui copiar isto já tinha sido copiado também, um ciclo quase sem fim, portanto isto é como se fosse domínio público. Pois bem, cá vai:



21 razões para odiar os espanhóis



  1. A mania que eles têm de nos invadir de 200 em 200 anos só para levar nos cornos. Será masoquismo?!

  2. Tratado de Tordesilhas, em que eles ficaram com o ouro e prata e nós com as mulatas e as caipirinhas... Pensando bem, o negócio até nem foi muito mau para nós porque, entretanto, o ouro e a prata acabaram-se.

  3. As sevilhanas: que raio de gente com auto-estima se veste com vestidos às bolinhas, tipo joaninha, e saltita enquanto um parolo de cabelo oleoso geme como quem está com uma crise de hemorróidas?

  4. Castilla la Macha, Estremadura e Andaluzia: todos eles desertos áridos e monótonos, mas sem camelos nem tipos de turbante para tirar fotos com os turistas.

  5. O antigo costume espanhol de reclamar para si terras às quais não têm direito, como Gilbraltar, Ceuta, Olivença (que é nossa!) e as Canárias.

  6. Enrique Iglesias e a sua magnífica verruga na tromba.

  7. A língua castelhana: esse prodígio da linguagem, em que seres humanos são capazes de emitir ruídos, imitando perfeitamente o som de um cão a roer um osso.

  8. Filipe I

  9. Filipe II

  10. Filipe III

  11. Os Seat, os piores automóveis que existem a oeste de Varsóvia. Boca chauvinista para treinar à frente do espelho: «Eu esborracho o teu Seat Marbella com o meu pujante UMM!».

  12. A Guardia Civil e a sua mania de arrear porrada em políticos portugueses na fronteira: mesmo que eles estivessem a pedi-las, nos nosso políticos somos nós quem "molha a sopa".

  13. Badajoz, a segunda cidade mais feia do mundo, a seguir a Ayamonte.

  14. Os nomes que ostentam: quer queiram, quer não, Pilar é nome de uma viga de betão e Mercedes é tudo menos nome de mulher!

  15. A mania que têm de se afirmarem como uma nação unida quando três quintos da população têm um ódio de morte a Espanha.

  16. El Córte Inglés... Até eles tiveram vergonha da sua criação, pelo que não lhe chamaram "El Córte Español", optando por atirar as culpas a outro povo, totalmente inocente.

  17. Café espanhol: uma zurrapa intragável e, além disso, para se conseguir uma bica em Espanha, o cliente tem que especificar expressamente que a quer sin leche. À cautela, convirá também pedir sem Sonasol, sem gelo, sem pêlos do peito do empregado...

  18. A riquíssima culinária espanhola: paelha de carne, paelha de peixe, paelha de gambas... Claro que galegos, bascos e catalães têm uma culinária riquíssima, mas esses não são espanhóis (ver ponto 15).

  19. O hábito cínico de nos tratarem por nuestros hermanos. Aí o português deve, com ênfase, esclarecer: «Xô, bastardo! Vai para a puta que te pariu».

  20. A televisão espanhola: 100% parola, e onde é considerado top de audiências um concurso em que a corrente, chamada Mercedes (vrumm! vrumm!), tem que dançar sevilhanas (arrghh!) com o Enrique Iglesias (vómitos!) para ganhar um Seat (keep it!) ou um T2 em Ayamonte (nãaaaaaaaao!).

  21. Já imaginando a contra-argumentação que alguns tentarão contra esta minha lista, devo lembrar que os filmes do Canal 18 NÃO são feitos em Espanha, nem por espanhóis. Vejam o genérico. São americanos e dobrados em espanhol, porque os espanhóis ficariam logo murchos se ouvissem as senhoras a gemer noutra língua que não a sua. Aliás, os espanhóis nunca foram muito dotados: sabiam que a DUREX comercializa em Portugal preservativos com uma média de 1 cm mais compridos do que aqueles que comercializa em Espanha?!

1 comentário:

  1. Só para avisar que também te gamei, e não te dei créditos :-P
    http://wonderm00n.blog.com.pt/?p=849

    ResponderEliminar