Isto ao som da música da Gaivota


Ando muito contente com a nossa liberdade!
O João da Madeira quer ilegalizar o comunismo, um quarto dos portugueses é pró pena de morte, enfim! Quanto à primeira, eu propunha exactamente o contrário, legalizar o fascismo, porque é que ideologias são ilegais? No tempo da velha senhora, quando governava um fascista, também era assim, tinha-se que pensar de determinada forma. É verdade que ambos, comunismo e fascismo são hediondos, ambos autoritários; O de esquerda prega igualdade, mas não gostava de viver numa Cuba, Coreia do Norte ou China, aliás, é de perguntar aos antigos camponeses da URSS se o martelo e a foice eram porreiros... isto sem contar com os milhões de mortes pelo qual é responsável! O de direita não fica atrás, aliás, na minha triste opinião até ultrapassa o congénere, é de lembrar que foi esta a doutrina responsável por matar judeus em série assim como quem cultiva batatas. Em suma: Fascismo é errado? É! Comunismo é errado? É! Devem-se ilegalizar? Não bolas! A democracia é assim, as pessoas votam com o que se identificam, felizmente a grande maioria tem tino, mas os que não o têm, também possuem direito ao voto, não é? A liberdade deve ser livre, portanto, restrições só se devem aplicar quando estas afectam a liberdade dos demais, é nisto, na legalização das drogas leves, nas eutanásias, nos casamentos homossexuais, liberdades de culto: livre arbítrio!
Continuando, como já disse, um quarto dos portugueses é a favor da pena de morte. Andamos a brincar aos Deuses? Qual é a autoridade que o estado tem para matar seja quem for, visto que a probabilidade de quem venha a ler isto ser a favor de tornar a morte num castigo é de 25%, querem transformar Portugal na palhaçada dos Estados Unidos? Além do mais, tal medida traria bónus, morte de inocentes, por exemplo. A despenalização da pena capital devia ser um orgulho para todos os portugueses, até porque fomos pioneiros na área, faz-me sentir que tenho as mãos limpas.

Sem comentários:

Enviar um comentário