Mais do mesmo


Estou para perceber o porquê de tanta polémica a propósito dos quase 100 milhões de euros que alegadamente vale Ronaldo. Tem-se dito que os valores exorbitantes que esta operação atingiu são poucos éticos e imorais, mas com tanta falta de escrúpulos que há por esse mundo fora, esta transferência não chega sequer a ter estatuto de ponta. Acerca desta, até o WPF (Programa Mundial de Alimentação) veio dizer que este dinheiro todo servia, dentro das possibilidades dadas, por exemplo, "para alimentar 8,6 milhões de etíopes famintos até ao final do ano". Está bem, correcto, mas com tanta multinacional a movimentar diariamente somas que nós, comuns mortais, nem temos plena consciência do real valor; que das suas receitas pouco, ou na esmagadora maioria, nada dão para causas nobres, então porque é que o Real Madrid, que ao fim ao cabo não passa de uma empresa, é contestado por este negócio? Na verdade não passa disso, um negócio!
O que se passa, é que a mentalidade da grande fatia da população humana é egoísta, e este caso concreto foi transformado em bode expiatório de todo um mal. A não ser que hábitos antigos se mudem, não se mudará também o mundo, tanto neste problema, da justa distribuição da riqueza por todos os países, como na do ambiente, não temos também, portanto, autoridade para apontar o dedo a situações como estas, é a velha questão dos telhados de vidro.

P.S: Não, eu não gosto do Cristiano Ronaldo, já me roubou a Nereida, a Letizia Filippi, a Gemma Atkinson, entre outras, mais recentemente a Paris Hilton. Já agora, e não tendo nada a haver com o assunto, também não gosto do Quique, também ele me roubou, neste caso a Orsi Fehér.

Sem comentários:

Enviar um comentário